terça-feira, 31 de dezembro de 2013

[Retrospectiva Literária] Os melhores livros de 2013.

Último dia de 2013. O dia que antecede um ano novinho em folha para talvez corrigir os erros, melhorar os defeitos e buscar ser melhor – e o clichê de: não adianta o ano mudar se você não muda. E um ano novinho em folha que nos trará (tenho certeza disto) novas histórias... Novas páginas para serem desvendadas – e olha que nem vou citar o fato de eu não ter lido um livro sequer da minha meta de clássicos para 2013 (decepção me resume). Mas que venha 2014 para isso.

E como sempre, é também um dia para fazer uma retrospectiva literária. Fazer um ‘balanço’ dos melhores livros este ano. E eu posso afirmar que foi a minha retrospectiva literária mais difícil de fazer. Parando para pensar direitinho, 2013 foi um ano de grandes leituras. De leituras que aos pouquinhos foram me transformando. Que mexeram comigo de uma forma especial... Que me fizeram acreditar no poder que um livro aberto e lido tem.

Nem preciso avisar que eles não estão em ordem de favoritismo. Se já foi difícil escolher só dez, mais difícil seria coloca-los em uma ordem de mais gostei/menos gostei.

Então está aí: as minhas dez melhores leituras do ano. (E não foram só elas, que isso fique bem claro, mas tantas outras que por questões matemáticas não caberiam nesse ‘Top 10’).




Extraordinário – R. J. Palacio.

Um verdadeiro presente; é assim que encaro a história magnífica do garoto Auggie e de sua família, criada por R. J. Palacio. Singelo e de uma profundidade quase inexplicável, o título do livro já diz tudo que o leitor pode esperar do mesmo. E ele não decepciona em nenhum sentido. O enredo comovente e excessivamente carregado de sentimentalismo nos ajuda – mesmo que para alguns, minimamente – a olhar o mundo com ‘olhos humanos’. Como bem disse a Rapha do Equalize da Leitura: acho que todos temos que ler algo desse tipo na vida. Resenha aqui.







O Oceano no Fim do Caminho – Neil Gaiman.

Eu sempre ouvia comentários que colocavam o Neil Gaiman acima de qualquer expectativa. Tudo que lia sobre o autor e suas obras era tão tentador que quando, num dia que fui à livraria em busca de um livro que me despertasse a curiosidade, O Oceano no Fim do Caminho estava lá. E comprei com todas as expetativas do mundo.
E não é que eu pude comprovar que tudo que tinha lido sobre o autor parecia pequeno quando se tem em mãos uma obra como esta?! O Oceano no Fim do Caminho é um livro nostálgico e particularmente assombroso. Muitas foram às sensações que me invadiram ao longo da leitura e confirmaram minhas suspeitas de que o autor sabe conduzir o leitor por entre páginas de uma história que ficará para sempre na memória dos que apreciaram verdadeiramente a trajetória desse garoto sem nome, rumo ao desconhecido. Resenha aqui,





Cidades de Papel – John Green.

É; esse livro é do mesmo cara que escreveu ‘A Culpa é das Estrelas’, mas esqueça isso. Eu mesmo me poupo de qualquer comparação (parece que eu preciso ficar repetindo isso para que eu realmente acredite). Pois é, Cidades de Papel é realmente um livro divertidamente incrível.
Sabe quando você lê um livro e quando acaba pensa: Uau! Essa história é muito legal?! Foi exatamente assim que fiquei quando terminei Cidades de Papel. É fato que o John Green tem um humor ácido e sabe criar personagens tão inteligentes que te levam da perplexidade às lágrimas em questão de parágrafos. E com este livro não foi diferente. A aventura de Q e Margo (mais especificamente de Q e seus amigos em busca da Margo) traduz sentimentos adolescentes de uma forma que eu encontrei em poucos livros até agora. O que eu diria para você que tem vontade de ler o livro?! Não crie expectativas, apenas leia e sinta o que o Green quis passar. Resenha aqui.




Um Porto Seguro – Nicholas Sparks.

Parece clichê encontrar um livro do Sparks na minha lista de favoritos, né?! Não nego: sou fã desse cara que escreve histórias de amor dramáticas, que levam muitos às lágrimas, e outros a torcerem o nariz. Nicholas Sparks nunca sairá da minha lista de autores favoritos.
E como leitor fiel que sou não poderia deixar de incluí-lo numa lista de livros favoritos. Um Porto Seguro configura uma das melhores obras, já escritas pelo autor. Pautados assuntos que vão além do que uma boa e clássica história de amor deve ter, Sparks incutiu a violência doméstica como pano de fundo de uma narrativa ágil e ao mesmo tempo doce.
Katie e Alex formam um dos meus casais Sparks favoritos e suas superações pessoais, além da própria trama principal, estavam acima de todas as minhas expectativas depositadas no livro. Porque, pasmem, eu realmente não esperava tanto desta história (muito embora isso seja uma mentira deslavada, já que eu sempre espero muito de um livro do autor). Mas não tanto; o livro é surpreendente de todas as maneiras. De todas as maneiras boas! Porém, como dizem por aí, eu sou suspeito para falar do Sparks.
Ah, e a resenha do livro é a mais lida do blog. Tirem suas próprias conclusões! Haha’



Will & Will – John Green e David Levithan.

Falar de Will & Will é mais complicado do que parece. Embora eu o tenha lido especialmente por ser escrito, também pelo Green, o livro é uma verdadeira obra prima, que sério, deveria ser lida por todas as pessoas que ainda relutam em compreender e aceitar que o amor é imutável (I-M-U-T-Á-V-E-L) em qualquer relação.
Pode ser paranoia minha, mas pra mim essa é a maior lição que este livro pode nos oferecer: mostrar que o amor é o amor e ponto. Se ele for verdadeiro ele vai ser sempre igual independente do tipo de relacionamento – inclusive entre dois homens ou duas mulheres. Gente, é incrível como John Green e David Levithan sabem fazer isso com maestria. Claro que ele se molda, mas é igualzinho quando olhamos para sua essência.
Mas falando assim parece que o livro é só isso. Engana-se quem pensa assim. Ele vai muito, muito!, além disso. Ele mescla sentimentos adolescentes com uma narrativa que agradará leitores... adolescentes. Não só, mas especificamente. Medos, frustrações e relacionamentos adolescentes, juntos num livro que se tornou muito mais que favorito. Resenha aqui.




‘Belle’  ‘Entre o Amor e a Paixão’ – Lesley Pearse.

Ah, como é bom falar da minha heroína Belle (não leia ‘minha’ como pronome pessoal). A saga de Belle, contada em dois livros (‘Belle’ e ‘Entre o Amor e a Paixão’) revelou-me uma autora que se tornou uma das minhas favoritas. A história de amor, sofrimento, amizade e companheirismo ficará em minha memória para sempre.
Ao iniciar a leitura de Belle nunca pensei que a história fosse da grandiosidade que ela mostrou-se ser. A menina ingênua que foi traficada e obrigada a tornar-se prostituta para sobreviver revela-se através de uma narrativa cruel e devastadora. E então veio a continuação – Entre o Amor e a Paixão – para continuar uma história que parecia no volume anterior, ter um ponto final.  Lesley mais uma vez mostrou desenvoltura ao criar um enredo ainda mais dramático que o anterior. E fez isso de forma crível e maestral.
Livros que trazem a história de uma mulher de nome Belle, que superou inúmeros desafios em busca de uma felicidade utópica. Que disse ‘sim’ a um destino cruel sem esquecer de que todos podem encontrar um final feliz depois de tudo. Nunca vou cansar de dizer que Belle é a minha (olha o pronome pessoal aqui de novo) heroína.
Resenha Belle. Resenha Entre o Amor e a Paixão.



A Lista Negra – Jennifer Brown.

A primeira coisa que penso quando vou recomendar A Lista Negra para alguém é: eu preciso conseguir expressar através das minhas palavras o que a Jennifer conseguiu expressar no seu livro. E esta é uma tarefa complicadíssima levando-se em consideração que tudo que ela escreveu é de uma singularidade quase palpável.
É um livro aterrador (usando o adjetivo de uma forma positiva, se é que ele pode ser usado dessa forma) e humanamente cruel. É aquele livro que eu pediria para todas as pessoas lerem, sem exceção. Em uma narrativa ‘crua’, a autora desvenda as mazelas da vida de uma garota transtornada, que vê toda a sua vida desmoronar de uma hora para outra quando seu namorado, aquele que ela mais confiava no mundo, atira em várias pessoas dentro do seu colégio.
E toda a saga da garota em busca de aceitação... de explicações para sua vida agora acabada. Jennifer Brown não nos poupa dos piores e melhores sentimentos humanos. Ela os expressa de uma forma ímpar, nos fazendo acreditar no pior e no melhor que as pessoas podem oferecer umas as outras. Fico feliz que um livro desse tipo tenha sido escrito; mais ainda por eu ter tido a oportunidade de lê-lo. Podem existir inúmeros outros que tragam no enredo a mesma proposta, mas sinceramente não acredita que irá ser como este. Resenha aqui.



‘Legend’  ‘Prodigy’ – Marie Lu.

Depois dos meus queridinhos da trilogia Jogos Vorazes, esta história da Marie Lu é minha distopia favorita. Eu nem vou fazer comparações, porque embora ambas as histórias se enquadrem num mesmo ‘gênero’ são completamente diferentes – tirando os elementos principais que quase toda distopia parece ter.
Foi-me recomendado (muito bem recomendado!) e eu resolvi que não custaria nada ler mais um dos muitos livros de um meus gêneros favoritos. E eu digo com toda a certeza que a trilogia Legend foi uma das melhores coisas que já me aconteceram.
Cheia de ação e ambientado num futuro controlado por uma elite opressora, a história de June e Day, e de todos os outros, compõe uma trilogia que agradará os mais críticos leitores de distopias. Sem perder o ritmo frenético, Marie Lu criou personagens cativantes e inesquecíveis. Criou personagens humanos e trouxe para o leitor um enredo rico muito mais que agradável e uma história difícil de esquecer.
Resenha Legend. Resenha Prodigy.



Laços Inseparáveis – Emily Giffin.

Aiai, Emily Giffin. Como você conseguiu me fazer amá-la tanto depois desta história?! Se eu já te admirava, depois de Laços Inseparáveis eu consegui entender o porquê você é tão incrível. É porque você entende os sentimentos humanos de uma forma particular... E também os descreve de uma forma própria.
Esta história, a princípio acanhada, ganha proporções que eu jamais imaginei e escancara sentimentos perdidos na memória de uma coisa chamada tempo. E mostra, como muitas que eu já li, mas de uma forma diferente, que seres humanos erram feio e que nem num ‘mundo imaginado’ tudo é tão perfeito assim. Ou talvez seja, mas não em Laços Inseparáveis. Não nesta história que me ganhou e me fez refletir sobre o quanto uma atitude hoje pode refletir amanhã, ou depois.
Um livro que mostra erros e acertos. Que nos ensina que todo relacionamento – este em questão entre mãe e filha – pode ser reconstruído. Que o amor é um dos bens mais preciosos, e mesmo que pareça desgastado, não pode ser posto de lado. Foi uma das leituras mais emocionantes e tocantes que eu já fiz. Resenha aqui.



Perdão, Leonard Peacock – Matthew Quick.


Eu não li ‘O lado bom da vida’ – grande sucesso do autor por aqui – mas, posso garantir que Matthew é um autor dos bons. Dos bons não, dos ótimos! Perdão, Leonard Peacock é tudo que eu esperava e um pouco mais. A verdade é que eu meio que já sabia que o livro seria tão incrível quanto foi.
Com uma narrativa despojada e desprovida de uma cronologia enquadrada, Matthew Quick escreveu uma história realista com as melhores notas de rodapé que eu já encontrei. Eu ri, me emocionei e fiquei chocado ao longo de suas pouco mais que 200 páginas. Mais um daqueles que mostram que uma história grandiosa não precisa ser escrita com muitas páginas, basta ter um ótimo e objetivo autor para torna-la tão incrível quando este livro foi. Bem, próximo ano (que começa amanhã) tem resenha do livro para vocês.




É; na verdade os 10 são 12 (e tudo bem se isso só acontecer na minha matemática). Mas eu considero os livros da Lesley e da Marie como um só (tá, eu sei que não são, mas são continuações, então....).

E que venha 2014 com leituras ainda melhores. Com livros ainda mais surpreendentes e incríveis.

E ahn... Feliz Ano Novo! J Que ele traga muito mais que bons livros, mas realizações pessoais, paz, saúde, amor e tantas outras coisas legais.

Abraços e até próximo ano. Haha.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

[Ho Ho Ho!] 5 livros para ler no Natal

ÊÊÊ! É Natal! Uma época especialmente dedicada à felicitação de votos fraternais; a expressão do amor; a reunião de toda família. Se bem que isso deveria acontecer sempre... Mas parece que no Natal acaba ficando mais evidente.


E natal também é livros. Por que não?! Muitos autores se dedicaram a escrever histórias que se passam nesta época tão significativa. E o post de hoje é para compartilhar 5 histórias com essa temática natalina. E eles são dos mais variados gêneros. Bora lá conhecer/ver de novo/aguçar a curiosidade da leitura?!

O Natal de Poirot

Nem o detetive Poirot, tão amado e aclamado, da escritora Agatha Christie escapou de ter um dos seus casos ambientados no Natal. Vê aí se essa história não promete ser uma ótima pedida no dia de Natal?! Bem, ao menos para quem quer ter um natal misterioso...

Véspera de Natal. A reunião da família Lee é arruinada pelo barulho ensurdecedor de móveis sendo destroçados, seguido de um grito agudo e sofrido. No andar de cima, o tirânico Simeon Lee está morto, numa poça de sangue, com a garganta degolada. Mas quando Hercule Poirot, que está no vilarejo para passar o Natal com um amigo, se oferece para ajudar, depara-se com uma atmosfera não de luto, mas de suspeitas mútuas. Parece que todos tinham suas próprias razões para detestar o velho...

 Deixe a Neve Cair

Um livro com três contos que prometem encantar e fazer do natal um divertimento daqueles. John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle resolveram que nada melhor que o natal para que histórias românticas e divertidas aconteçam em meio a uma inesperada tempestade de neve. Parece ou não que esse livro é um forte candidato para os ‘mais mais’ desse natal?!

Na noite de natal, uma inesperada tempestade de neve transforma uma pequena cidade num inusitado refúgio para insuspeitos encontros românticos. Em Deixe a neve cair, bem-sucedida parceria entre três autores de grande sucesso entre os jovens, John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle escrevem três hilários e encantadores contos de amor, com direito a surpreendentes armadilhas do destino e beijos de tirar o fôlego. Comédia romântica com a assinatura de um dos maiores bestsellers da atualidade, o livro é o presente de Natal perfeito para os fãs de John Green e de histórias de amor e aventura.

 Anjos à Mesa

Uma história com direito a anjos e um encontro inesperado na noite de natal. Parece-me encantadora a proposta da Debbie Macomber. Eu realmente quero muito lê-lo.

Shirley, Goodness e Mercy sabem que o trabalho de um anjo é interminável — especialmente na véspera do Ano-novo. Ao lado de seu novo aprendiz, o anjo Will, elas se preparam para entrar em ação na festa de fim de ano da Times Square. Quando Will identifica dois solitários no meio da multidão, ele decide que a meia-noite será o momento perfeito para dar aquele empurrãozinho divino de que eles precisam para acabar com a solidão. Então, por “acidente”, Lucie Ferrara e Aren Fairchild esbarram-se no meio da alegria da festa, mas, assim como se aproximam, acabam se perdendo: um encontro marcado que não acontece os afasta pelo resto da vida. Ou será que não? Um ano depois, Lucie é a chef de um novo e aclamado restaurante, e Aren é um colunista de sucesso em um grande jornal de Nova York. Durante todo o ano que passou, os dois não se esqueceram daquela noite. Shirley, Goodness, Mercy e Will também não se esqueceram do casal... Para uni-los novamente, os anjos vão usar uma receita antiga e certeira: amor verdadeiro mais uma segunda chance (e uma boa dose de confusão), para criar um inesquecível milagre de Natal.

 Feliz Natal, Alex Cross

Quer passar o natal de uma forma eletrizante?! Sente-se e leia o mais novo livro da série ‘Alex Cross’ do James Patterson. Tem resenha do livro aqui no blog, e foi uma leitura que muito me agradou. O primeiro do Alex que li, e ele já se tornou o agente/detetive queridinho... Ahn, vocês podem conferir tudo que achei aqui na resenha.

É véspera de Natal, tempo de paz e fraternidade Infelizmente nem todos pensam assim. Após deter um ladrão que estava roubando a caixa de doações da igreja, tudo o que Alex Cross quer é ter uma noite feliz com sua família. Mas, para tristeza de seus filhos, de Bree e de Nana Mama, o detetive será convocado para solucionar não apenas um, mas dois casos no feriado. Numa bela mansão, uma família é mantida refém Alex atravessa a cidade rumo a uma das regiões mais nobres de Washington. Henry Fowler, um famoso advogado que viu sua vida e sua carreira serem arruinadas, ameaça matar os filhos, a ex-mulher e seu novo marido. Psicótico e viciado em metanfetamina, Fowler precisa ser detido. Mas a pergunta que não sai da mente do psicólogo que habita em Cross é: o que faria alguém tão bem-sucedido afundar dessa maneira? Envenenamento e terror na estação de trem Convocado às pressas pelo FBI, Cross terá que capturar uma antiga inimiga: a terrorista Hala Al Dossari, que foi reconhecida por uma das câmeras da Union Station. Em pouco tempo acontecem mortes e explosões. Mas será esse ataque seu único objetivo? Ou tudo fará parte de um plano maior, capaz de gerar uma catástrofe nacional?

Um Conto de Natal

E não poderia esquecer do tão aclamado clássico de Charles Dickens. Um Conto de Natal é uma história que ganhou leitores pelo mundo e promete emocionar com um enredo singular, no qual um homem é levado por um fantasma para visitar (seu passado, presente e futuro) e ter uma nova perspectiva de vida.

"Um Conto de Natal" do britânico Charles Dickens (1812-1870) é uma das histórias mais famosas da literatura ocidental. O enredo nos traz a figura de Ebenezer Scrooge, um avarento homem de negócios londrino, rabugento e solitário, que não demonstra um pingo de bons sentimentos e compaixão para com os outros. Scrooge não deixa que ninguém se aproxime e rompa a sua dura carapaça, preocupando-se apenas com os negócios, o dinheiro e os lucros. No anoitecer frio da véspera natalina, ele é visitado pelo fantasma de Jacob Marley (seu antigo sócio comercial, morto há sete anos) que o repreende e anuncia que Scrooge se prepare, pois será visitado por três espectros do seu próprio passado, presente e futuro... A história da redenção do velho Scrooge vêm comovendo adultos e crianças de todas as épocas.
A história foi escrita entre outubro e novembro de 1843, para ser publicada em capítulos de jornal, com ilustrações de John Leech, em dezembro do mesmo ano. O enredo é familiar a todos: foi filmado várias vezes e televisionado; adaptado para o teatro e para crianças. Transformado em desenho animado e HQs. A figura e o personagem de Scrooge teve vários descendentes literários, um dos mais célebres é o Tio Patinhas de Walt Disney: "Uncle Scrooge McDuck" em inglês.

 E... Feliz Natal! Que ele chegue com paz, saúde, realizações e muitos – muitos! – livros. Afinal não é tradição ganhar presentes?! E existe presente melhor que livros?!

Abraços, 

sábado, 21 de dezembro de 2013

[Resenhando Nacional] Amazônia - Arquivo das Almas - Paul Fabien

Título: Amazônia – Arquivo das Almas.
Autor(a): Paul Fabien.
Editora: Isis.
Nº de páginas: 332.
Sinopse: Em um futuro não muito distante um casal de oficiais, Vitã e Helena, participam de várias campanhas militares. Em todas as oportunidades lutam para defender a grande floresta Amazônica. Eles não imaginam que uma nova missão irá lançá-los na mais espetacular e perigosa das aventuras. O grande enigma começaria dentro da Amazônia, um lugar inóspito e assustador repleto de mistérios e grandes perigos. Após vários confrontos se deparam com as cavernas de Abissínia, na Colômbia, onde encontram a origem do verdadeiro mal e descobrem antigos segredos gravados em inscrições cuneiformes, registradas por outras civilizações pré-diluvianas.



 Nota Pessoal:


Uma aventura de proporções futurísticas e inimagináveis; um livro recheado de ação e personagens cativantes; um cenário atraente e cheio de surpresas.
A obra de Paul Fabien tem tudo que uma boa história de ficção científica deve ter: guerras, muita ação e aparatos tecnológicos que vão além do que se pode esperar. A cada página uma nova surpresa que mantém aguçada a curiosidade do leitor mais crítico do gênero. Fato é que Amazônia é realmente incrível.

Vitã e Helena são dois oficiais que trabalham numa base montada dentro da Floresta Amazônica com o intuito de preservar a natureza. Os dois não se conhecem, mas suas vidas estariam prestes a se cruzar da forma mais perigosa possível.
Naves não identificadas cruzam a fronteira da floresta e ameaçam acabam com a paz da base. E logo que essas naves são percebidas o comandante Lemos sabe que algo precisa ser feito. E rápido.

É então que ele manda seus melhores oficiais – Vitã e Helena – para essa missão perigosa e imprevisível. Eles teriam que investigar a origem dessas naves e o que quem as operava pretendia ao romper as barreiras que mantinham a biodiversidade amazônica longe de inimigos.
O que eles descobrem é ao mesmo tempo assustador e incrível. Nas cavernas da Abissínia, Colômbia, um estranho grupo religioso mantêm reuniões secretas. Enquanto isso, fora delas, o mesmo grupo que tem como líder um Conselheiro, escraviza pessoas das formas mais cruéis possíveis.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

[Lançamentos] Editora Arqueiro

Já sabe quais são os lançamentos da Editora Arqueiro, parceira aqui do blog, para janeiro próximo?!

Vê aí!
07/01
Sinopse: Cara Anna,
Já comecei esta carta várias vezes e aqui estou, começando-a novamente, sem fazer a mínima ideia de como lhe dizer
A carta não terminada é a única pista que Tara e Emy têm para entender o que levou sua amiga Noelle ao suicídio. As três eram inseparáveis desde a faculdade e tudo a respeito de Noelle – seu trabalho de parteira, a forma como se dedicava apaixonadamente a diversas causas sociais, seu amor pelos amigos e a família – se encaixava na descrição de uma mulher que amava a própria vida.
Só que havia muitas coisas que Tara e Emy desconheciam. Por exemplo, quem é Anna e por que Noelle nunca a mencionara.
Com a descoberta da carta e do terrível segredo que a motivou, as duas começam a desvendar a verdade sobre essa mulher forte, independente e gentil que entrou em suas vidas trazendo amor e compaixão, mas que também pode ser a responsável por muitas tristezas e ilusões.
Com delicadeza e equilíbrio, Diane Chamberlain constrói uma história sensível sobre amizade e relacionamentos e levanta a pergunta: até que ponto você seria capaz de perdoar alguém que ama?

14/01

Terceiro livro da série ‘Os Hathaways

Sinopse: Poppy Hathaway está em Londres para sua terceira temporada de eventos sociais. Como nos dois anos anteriores, ela se hospedou com a família no hotel Rutledge. E, como nos dois anos anteriores, tudo indica que retornará a Hampshire sem ter encontrado um pretendente com quem se casar.
Apesar de ser extremamente bonita e gentil, Poppy tem duas grandes desvantagens em relação às outras moças: sua inteligência deixa muitos homens acuados e o fato de vir de uma família tão pouco convencional faz com que os melhores partidos nem sequer a abordem. Mas o destino a coloca no caminho de Harry Rutledge, um homem de passado triste, que venceu na vida por conta própria e aprendeu a encarar tudo como um negócio.
O dono do hotel não ama ninguém, confia em poucos e manipula todos. Porém, mesmo sendo tudo o que Poppy nunca almejou, ela não pode negar o fascínio que sente por ele. Quando Harry conhece Poppy, é tomado pelo desejo. Ele imediatamente tem a certeza de que a jovem será sua – e, para o bem ou para o mal, não mede esforços para que isso aconteça. Mas fascínio e desejo não serão suficientes para construir sua história, sobretudo quando uma traição põe em jogo as bases do relacionamento. Agora, é entre quatro paredes que eles tentarão resolver problemas e anular diferenças, num romance sensual em que seu futuro juntos pode mudar a cada toque, cada encontro, cada descoberta.



Sinopse:  Antes do alvorecer do século XX, um trio de irmãs chegará a idade adulta, todas bruxas. Uma delas terá o dom da magia mental e será a bruxa mais poderosa a nascer em muitos séculos: ela terá poder suficiente para mudar o rumo da história, para suscitar o ressurgimento do poder das bruxas ou um segundo Terror. Quando Cate descobre esta profecia no diário de sua mãe, morta há poucos anos, entende que precisa repensar seus planos. 
Qual será a melhor opção: servir a Irmandade, longe dos olhos vigilantes dos Irmãos Caçadores de Bruxas, aceitar uma proposta de casamento que lhe garanta proteção e segurança ou abandonar tudo e viver um grande amor proibido? Prepare-se para se encantar com os jovens pretendentes de Cate, abominar o ódio e a repulsa que os Irmãos dedicam a meninas e mulheres, e aguardar ansiosamente pela sequência de As Crônicas das Irmãs Bruxas.



Curtiram os lançamentos?!
Conta aí qual/quais você quer ler! J

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

[Resenha] Feliz Natal, Alex Cross - James Patterson

Título: Feliz Natal, Alex Cross.
Título original: Merry Christmas, Alex Cross.
Autor: James Patterson.
Editora: Arqueiro.
Nº de páginas: 176.
Sinopse: É véspera de Natal, tempo de paz e fraternidade Infelizmente nem todos pensam assim. Após deter um ladrão que estava roubando a caixa de doações da igreja, tudo o que Alex Cross quer é ter uma noite feliz com sua família. Mas, para tristeza de seus filhos, de Bree e de Nana Mama, o detetive será convocado para solucionar não apenas um, mas dois casos no feriado. Numa bela mansão, uma família é mantida refém Alex atravessa a cidade rumo a uma das regiões mais nobres de Washington. Henry Fowler, um famoso advogado que viu sua vida e sua carreira serem arruinadas, ameaça matar os filhos, a ex-mulher e seu novo marido. Psicótico e viciado em metanfetamina, Fowler precisa ser detido. Mas a pergunta que não sai da mente do psicólogo que habita em Cross é: o que faria alguém tão bem-sucedido afundar dessa maneira? Envenenamento e terror na estação de trem Convocado às pressas pelo FBI, Cross terá que capturar uma antiga inimiga: a terrorista Hala Al Dossari, que foi reconhecida por uma das câmeras da Union Station. Em pouco tempo acontecem mortes e explosões. Mas será esse ataque seu único objetivo? Ou tudo fará parte de um plano maior, capaz de gerar uma catástrofe nacional?
 Nota Pessoal:

Este foi o segundo livro do James Patterson que li. O primeiro da série Alex Cross. Minha expectativa/curiosidade para conhecer ‘o autor de suspense mais vendido no mundo’ era altíssima. Eu queria ‘conhecer’ o James Patterson, autor dos livros policiais aclamados por milhões de pessoas.

E o livro é realmente muito bom. Objetivo, ágil e com personagens interessantes num cenário de horror e tensão, Feliz Natal, Alex Cross, é um romance policial que conduz o leitor por duas estórias recheadas de momentos de pura adrenalina e com clímax de tirar o fôlego. Este primeiro livro que li do Alex Cross, que porventura se tornou um dos meus detetives/agentes favoritos, traz, além de um suspense bem estruturado, uma trama psicológica que vai além do que a sinopse pode descrever.

Natal. Paz, amor, fraternidade?! Luzes brilhando, clima familiar, ceia natalina?! Esqueça tudo isso. Não; via isso por alguns segundos com Alex Cross. Celebre o Natal com o detetive e sua família até ouvir o primeiro toque do celular. O primeiro toque que o levará a um bairro nobre de Washington onde um possivelmente psicopata mantém a ex-mulher com o atual marido e seus filhos.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

[Resenha] Uma Longa Jornada - Nicholas Sparks

Título: Uma Longa Jornada.
Título original: The Longest Ride.
Autor(a): Nicholas Sparks.
Editora: Arqueiro.
Nº de páginas: 368.
Sinopse: Aos 91 anos, com problemas de saúde e sozinho no mundo, Ira Levinson sofre um terrível acidente de carro. Enquanto luta para se manter consciente, a imagem de Ruth, sua amada esposa que morreu há nove anos, surge diante dele. Mesmo sabendo que é impossível que ela esteja ali, Ira se agarra a isso e relembra diversos momentos de sua longa vida em comum: o dia em que se conheceram, o casamento, o amor dela pela arte, os dias sombrios da Segunda Guerra Mundial e seus efeitos sobre eles e suas famílias.
Perto dali, Sophia Danko, uma jovem estudante de história da arte, acompanha a melhor amiga a um rodeio. Lá, é assediada pelo ex-namorado e acaba sendo salva por Luke Collins, o caubói que acabou de vencer a competição.Ele e Sophia começam a conversar e logo percebem como é fácil estarem juntos. Luke é completamente diferente dos rapazes privilegiados da faculdade. Ele não mede esforços para ajudar a mãe e salvar a fazenda da família. Aos poucos, Sophia começa a descobrir um novo mundo e percebe que Luke talvez tenha o poder de reescrever o futuro que ela havia planejado. Isso se o terrível segredo que ele guarda não puser tudo a perder.Ira e Ruth. Luke e Sophia. Dois casais de gerações diferentes que o destino cuidará de unir, mostrando que, para além do desespero, da dificuldade e da morte, a força do amor sempre nos guia nesta longa jornada que é a vida.

 Nota Pessoal:
“ – Meu nome é Ira Levinson e hoje vocês ouvirão minha história de amor. Não o tipo que poderia imaginar. Não é uma história com heróis e vilões, tampouco uma com belos príncipes e princesas [...] Uma história como muitas outras, exceto pelo fato de Ruth ter um olho para a arte, ao passo que eu só tinha olhos para ela.” Pág.: 349
A estória de Uma Longa Jornada não é muito diferente das muitas que Nicholas Sparks escreveu. Quem gosta dos livros do autor sabe o quanto é difícil expressar a singularidade de cada enredo criado; porque realmente todos os livros parecem seguir a mesma linha romântica e previsível. Mas não é assim. E a cada novo livro que leio, confirmo minha convicção de mesmo que sempre – ou quase sempre – o autor imprima em suas estórias uma característica ímpar de escrita (o casal romântico lutando para superar os obstáculos que consequentemente surgem), cada uma em particular tem sua forma e moldagem que se diferenciam.

E eu posso dizer, sem dúvidas, que Uma Longa Jornada ultrapassa os limites de uma boa estória de amor. O enredo cativante, os diálogos românticos, as descrições minuciosas que ajudar a tornar o cenário ainda mais real deixam no leitor a confirmação de que, mais do que ninguém, Nicholas Sparks é o melhor nome quando falamos em estórias de amor.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

[Novas Parcerias] Luciana Bollina e Luiz Henrique Mazzaron

Oie, leitores! Tudo bem?! Espero que sim :) O post de hoje é para falar de... Parcerias!
Mais uma vez o 'Livro Sobre Livro' fez parceria com dois nomes do cenário literário nacional. E são eles:

Luciana Bollina nasceu em Sorocaba, mas é paulistana desde os 16 anos, hoje com 28, estreia como romancista e pretende escrever até o final da vida. Também é atriz, cantora e bailarina e diz ser todas as Lucianas que cabem dentro dela. É autora de “Voo”, seu primeiro monólogo, no qual atuou e produziu em 2007 e 2008, em cartaz em São Paulo e em Curitiba na mostra “Fringe” de teatro, dirigida pelo amigo Guily Rahner. Estudou e desenvolveu textos com o conceituado romancista Godofredo de Oliveira Neto e com Marcelino Freire, vencedor do Prêmio Jabuti de Literatura. É formada na Escola de Atores Nilton Travesso, Cursou a Faculdade Comunicação e Artes do Corpo na PUC- SP e estuda Teatro Físico (LeCoq) esporadicamente para manter sua técnica de atriz. É cantora desde 2004, tendo participado como atriz/cantora das produções da Broadway: Chicago, Sweet Charity e Hair, além de musicais brasileiros, como Ary Barroso – com Diogo Vilela, Tom e Vinícius – o musical e Pernas Pro Ar com Cláudia Raia. Na dança, é formada pela Royal Academy of Dancing de Londres em ballet clássico (1998), tendo domínio também das técnicas de sapateado, jazz e estilo Bob Fosse. Sua última peça foi “A Descida do Monte Morgan” de Arthur Miller, com direção de Luiz Villaça, em São Paulo no Rio de Janeiro e estará na nova série da GNT, "Amor Veríssimo" que estréia em Janeiro de 2014.

Seu livro:




Clarice tem 19 anos, é artista plástica e seu maior desejo é conhecer o amor. Na rua, encontra um jovem poeta chamado Gabriel, que vende seus poemas impressos de forma artesanal. Ela se apaixona e ele preenche seu imaginário. A atração parece recíproca, mas Clarice flagra o moço beijando outra mulher, linda e sedutora, entre as prateleiras de uma livraria. Paralelamente, sua mãe e sua irmã aparecem em meio a discussões, confrontos e sustos que fazem com que ela amadureça.




Essa capa não é realmente linda?! Acho que o conjunto da obra me fez ficar curioso - capa, título, sinopse. Parece ser um  YA bem legal. Não vejo a hora de começar a lê-lo *.*

Você pode comprar CLARICES:





"Estudante, Luiz Henrique Simão Mazzaron nasceu em São Bernardo do Campo, mas viveu toda sua vida em Santo André, São Paulo. Durante o Ensino Fundamental, passou por uma época difícil e encontrou refúgio nos livros policiais e de suspense. Adorador da literatura estrangeira, usou-a como base para suas obras da série Máscara."









Seu livro:

"Liam é um garoto que viveu por muito tempo isolado devido aos constantes castigos do sádico tio, um carrasco ex-militar. Porém, inesperadamente, surge uma entidade maléfica, uma figura das trevas trajando uma máscara, e passa a o perseguir, levando-o a participar de um jogo num mundo surreal, chamado Domus.Junto a um grupo, Liam parte para uma experiência alucinante, em que os pecados da humanidade serão colocados em xeque, como numa espécie de julgamento. Um combate onde o principal objetivo do adversário é mostrar o quão odiosa é a raça humana...Mas ainda há muitos mistérios que rodeiam este intrincado jogo. Por qual motivo a criatura possui tamanha obsessão por ele? E vale a pena prosseguir, já que a morte é a única certeza?"

O livro do Luiz Henrique tem uma temática de mistério e suspense. Essa capa é incrível e o livro parece ser além de interessante e cheio de segredos, uma grande obra da nossa literatura (eu tenho lido comentários ótimos sobre). Vamos ver como será... :)

Espero que tenham gostado das parcerias. Em breve tem resenha dos livros para vocês!

terça-feira, 19 de novembro de 2013

[Resenha] Prodigy - Marie Lu

Título: Prodigy.
Título original: Prodigy.
Autora: Marie Lu.
Editora: Prumo.
Nº de páginas: 304.
Sinopse: Depois que um cataclismo atingiu o planeta Terra, extinguindo continentes inteiros, os Estados Unidos se dividiram em duas nações em guerra: a República da América, a oeste, e as Colônias, formadas pelo que restou da costa leste da América do Norte. June e Day, a menina prodígio e o criminoso mais procurado da República, já estiveram em lados opostos uma vez.
Agora eles têm a oportunidade de lutar lado a lado contra o controle e a tirania da República e, assim, alterar para sempre o rumo da guerra entre as duas nações. Resta saber se estão preparados para pagar o preço que as transformações exigirão deles.

 Nota Pessoal:


Numa sequência eletrizante, a estória do garoto mais procurado pela República – Day -, e da garota prodígio – June -, torna-se ainda mais concreta e fascinante. Em Prodigy, Marie Lu expõe o lado sentimental dos seus personagens, sem perder o ritmo e com a mesma desenvoltura e maestria com as quais escreveu Legend resenha aqui ). Este segundo volume, consegue ainda mais que o primeiro, aproximar-se da nossa realidade. E começa quando June e Day se veem obrigados a juntar-se aos Patriotas – um grupo de pessoas que lutam freneticamente contra o regime ditatorial da República.

Depois de terem fugido, June e Day conseguem chegar numa cidade que possivelmente abriga um grupo de Patriotas. O objetivo principal é encontrar Tess – que está com o grupo - e salvar o irmão de Day – Éden – das garras do Primeiro Eleitor. Mas é quando o atual Primeiro Eleitor morre, e seu filho Anden assume o poder, que uma oportunidade mais propícia surge. Os Patriotas ajudariam a resgatar o irmão de Day e mandá-los para as Colônias, e em troca ele assassinaria Anden. Todo um plano é traço, June finge clamor para a República, infiltrando-se lá e ganhado a confiança de Anden, enquanto Day ficaria escalado para mata-lo, dando o poder a Razor – líder dos Patriotas.