sexta-feira, 11 de abril de 2014

[Resenha] Minha Metade Silenciosa - Andrew Smith

Título: Minha Metade Silenciosa.
Título original: Stick.
Autor: Andrew Smith.
Editora: Gutenberg.
Nº de páginas: 304.

Sinopse: Stark McClellan tem 14 anos. Por ser muito alto e magro, tem o apelido de Palito, mas sofre bullying mesmo porque é “deformado”, já que nasceu apenas com uma orelha. Seu irmão mais velho, Bosten, o defende em qualquer situação, porém ambos não conseguem se proteger de seus pais abusivos, que os castigam violentamente quase todos os dias. Ao enfrentar as dificuldades da adolescência estando em um lar hostil e sem afeto – com o agravante de se achar uma aberração –, o garoto tem na amizade e no apoio do irmão sua referência de amor, e é com ela que ambos sobrevivem. Um dia, porém, um episódio faz azedar terrivelmente a relação entre Bosten e o pai. Para fugir de sua ira, o rapaz se vê obrigado a ir embora de casa, e desaparece no mundo. Palito precisa encontrá-lo, ou nunca se sentirá completo novamente. A busca se transforma em um ritual de passagem rumo ao amadurecimento, no qual ele conhece gente má, mas também pessoas boas. Com um texto emocionante, personagens tocantes e situações realistas, não há como não se identificar e se envolver com este poético livro.

Nota Pessoal:

Se tem uma coisa que eu preciso falar – ou escrever – antes de colocar em palavras os sentimentos que me acometeram durante a leitura deste livro, é que Andrew Smith é um autor que consegue – de uma maneira bem particular, é verdade – colocar sentimentos verdadeiramente cruéis em sua narrativa – ao menos neste livro. Preciso dizer isso porque não foram muitas as histórias que me pareceram tão cruéis, mas ao mesmo tempo temperados com sentimentos tão bons e esperançosos. O autor, que de longe se saiu melhor do que o esperado ao escrever esta história que a sinopse poderia sugerir ser ‘clichê’, me deu novas perspectivas de vida, sofrimento, amor, amizades e acima de tudo, esperança. Minha Metade Silenciosa é uma ficção tão real quanto à própria estrutura física do livro. E isso é apenas um elogio que não se pode comparar ao que a história realmente é.

A história do garoto Stark – chamado e conhecido por Palito – é mesmo bem triste. Não apenas triste, mas um golpe de ‘não sorte’ bem cruel. Contada pelo próprio, ao abrir o livro, o leitor já vai se deparar com uma narrativa bem crua, sem pudores e totalmente permeada por doses exageradas de sentimentos - de uma maneira positiva - tanto bons, quanto ruins. O modo como o Stark conta sua história é também outra particularidade da narrativa: ele oferece pausas necessárias para que o leitor ouça o mundo como ele próprio o ouve.

Calma, eu explico. O menino só tem um ouvido. O seu direito é apenas uma ‘forma de orelha’ comprimida contra sua cabeça. Ele não tem a orelha direita e não ouve nada por esse lado. Ou seja, sua única forma de ouvir o mundo é com seu ouvido esquerdo e isso dá ao garoto alguns poucos momentos de silêncio que ele faz questão de que sejam ouvidos por quem se deu a oportunidade de ler.

Stark nasceu numa família complicada e as únicas pessoas no mundo que parecem se importar com ele é sua amiga Emily e seu irmão Bosten – este último o verdadeiro companheiro do garoto. Ele tem pais que fumam, bebem e batem nele com a mesma frequência. A vida dele parecia seguir uma rotina dolorosa até o dia que Bosten resolve começar a quebrar as regras e levar o menino para algumas ‘aventuras’ proibidas.

Só que essas aventuras trariam consequências que marcariam ainda mais a falta de um lar e de ‘pessoas que se importassem’ na vida de Stark. Mas não é só isso. O garoto ainda nutre um sentimento confuso pela amiga Emily – e tem de lidar com isso da melhor maneira que um garoto de 13 anos lidaria. Ele não sabe o que fazer, mas sabe que Emily é alguém que ele quer sempre ter por perto.

Em meio a tudo isso, Stark se vê num mundo conturbado e cheio de brigas, preconceitos – basicamente por ele ter essa ‘deficiência’ – e de coisas que parecem valer minimamente a pena, como a proteção de Bosten e o amor de Emily.

Tudo muda quando ele e o irmão são mandados para a casa da tia Dahlia. O que os irmãos não esperavam era que lá, nas praias californianas e na casa aconchegante de um parente distante, eles fossem encontrar um lar. Um lar de verdade, com uma tia amorosa, uns amigos surfistas super maneiros e uma esperança em meio ao caos que é a casa deles. E tudo torna a mudar quando Bosten foge de casa depois de uma briga com o pai. É aí que se inicia uma busca frenética, desesperada e que reserva grandes surpresas para Stark.
Falando assim pode parecer um pouco ou exageradamente simples, mas acredite em mim, não é. O livro é complexo e cheio de situações embaraçosas que deixam no leitor a sensação de que ‘eu preciso fazer alguma coisa’. Apesar de ter apenas 13 anos, o Stark – embora ele se coloque como ‘Palito’ o tempo todo – é um adolescente muito forte. E a característica mais marcante do personagem é essa vontade de mudar misturada com medo.

O desenvolvimento do livro traz os pormenores da amizade e companheirismo entre Stark e Bosten. Das aventuras, frustrações, segredos e dos sonhos compartilhadas. E essa amizade é tão bonita! Bosten, a seu jeito, defende Stark de todos que o olhem torto ou façam piada da situação do garoto; a forma como ele se sente em relação ao mundo e ao irmão mais novo é indescritível. Já o Stark ama o irmão tão incondicionalmente que não o nega nada, nem mesmo a oportunidade de Bosten consumir drogas para fugir de todo o sofrimento. O menino parece encarar o mundo a sua própria maneira, sem pudores, dirigindo carros, parecendo forte, tentando se convencer de que é feio, mas que no fundo sabe que é alguém que quer ser apenas comum e ter pais comuns; viver uma vida ‘comum’.

Minha Metade Silenciosa discute temas fortes, sérios e que vêm se tornando necessários. Eles vão desde a negligência dos pais, até a sexualidade, puberdade, consumo de drogas e a descoberta do próprio corpo. E o autor soube trazer essas discussões à tona aos poucos e de uma maneira bem estruturada, concreta e verossímil. Ao longo das páginas, Andrew Smith se mostra mestre na arte de chocar o leitor e fazê-lo pensar. E não é apenas isso: ele oferece a oportunidade do leitor se envolver tão profundamente a ponto de querer, de alguma forma, mudar o rumo da história.

Resumi-lo num livro ‘triste’ seria um exagero. São tantas as pessoas boas que o Stark descobre. É um mundo tão cheio de possibilidades e sem regras tão severas e punições tão dolorosas fora de casa. Assim como aos pouquinhos o autor dá ao protagonista a chance de um sofrimento que dependendo de cada um é necessário ou não, ele também oferece a Stark pessoas boas e comuns que querem apenas ajuda-lo sem esperar nada em troca. Andrew Smith oferece esperança tanto ao seu personagem, quanto ao seu leitor.

Quando cheguei à última página do livro, ao ponto final, toda a história do Stark passou-se pela minha cabeça. Toda sua trajetória, suas desilusões, seus sonhos, as pessoas, o caminho percorrido, as barbaridades necessárias para talvez encontrar o Bosten depois d’ele fugir. E por fim o que eu pude perceber foi que ele nada mais era do que um garoto comum, com uma imensa capacidade de amar e a inocência de alguém que tem esperanças. E embora não totalmente inocente com relação à vida, ele ainda estava bem longe de saber ‘como as coisas realmente são’.

Se me pedissem para resumi-lo em uma única palavra eu diria que o livro é incrível. Incrível. Ainda assim, acredito que ele esteja acima desse adjetivo. Muito acima.

Boa Leitura!

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Ótima resenha! Mais um para lista. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Oi Ronaldo!

    Sua resenha está perfeita. Já tinha visto o livro pela blogosfera, mas essa foi a primeira resenha que li. Você salientou muito bem todos os pontos interessantes para deixar o leitor instigado com o livro. Fiquei comovida com a resenha e adorei todos os temas abordados pelo autor. Já anotei na minha lista!

    Abraço

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi.
    Que temáticas interessantes. Acredito que em breve terei que lê-lo. Assuntos como esses necessitam serem lidos e refletidos.Parabéns pela resenha.

    Abraços.
    http://musicaselivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir