quinta-feira, 1 de agosto de 2013

[Resenha] A Lista Negra - Jennifer Brown

Título: A Lista Negra
 
Título original: Hate list

Autora: Jennifer Brown 

Editora: Gutenberg 

Nº de páginas: 272

Sinopse: E se você desejasse a morte de uma pessoa e isso acontecesse? E se o assassino fosse alguém que você ama?
O namorado de Valerie Leftman, Nick Nevil, abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola em que estudavam. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma colega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista de pessoas e das coisas que ela e Nick odiavam. A lista que ele usou para escolher seus alvos.
Agora, depois de passar o verão reclusa, se recuperando do ferimento e do trauma, Val é forçada a enfrentar uma dura realidade ao voltar para a escola para terminar o Ensino Médio. Assombrada pela lembrança do namorado, que ainda ama, passando por problemas de relacionamento com a família, os ex-amigos e a garota a quem salvou, Val deve enfrentar seus fantasmas e encontrar seu papel nessa história em que todos são, ao mesmo tempo, responsáveis e vítimas.
A Lista Negra, de Jennifer Brown, é um romance instigante; leitura obrigatória, profunda e comovente.




Nota pessoal:

Seu papel não era mais me proteger do resto do mundo. Agora, seu papel era proteger o resto do mundo de mim. E isso era injusto demais.” Pág: 145

Ainda não sei que palavras usar para expressar todas as coisas boas que esse livro passa para o leitor. A Lisa Negra é daqueles livros encantadores que trazem lições de vida, através de uma história tocante e verdadeira, que mostra que por mais que tentemos ser corretos, imperfeição é a maior característica do ser humano, e que por mais difícil que seja encarar os problemas, escondê-los no armário não vai ajudar a resolvê-los.

O que mais gostei de toda a história, foi ver o quanto seus personagens são imperfeitos. O livro traz pessoas que podemos encontrar em nossa escola, em nossa rua, e no nosso grupo de amigos; talvez tenha sido isso que me fez ficar tão emocionado com tudo que li: a verdade que a autora consegue passar com a história que se propôs a escrever. 



Val é uma garota problemática. A típica adolescente desastrada, rejeitada por toda a escola e que acaba encontrando o cara que parece perfeito, tirando-a da realidade e fazendo-a sentir-se a garota mais especial do mundo. Esse tal cara atende pelo nome de Nick, e parece completar o mundo da garota que sofria bullying, tinha problemas amorosos e familiares, e parecia não conseguir encontrar o seu lugar no universo.
Nick também  não poderia sofrer mais com as provocações dos colegas. O garoto era taxado como esquisito, e junto com Valerie, formam o casal mais esquisito e inusitado, segundo todos os estudantes do colégio.

Em um dia, a brincadeira de criar uma lista negra, com todas as pessoas que os dois queriam ver mortas, acaba tornando-se um pesadelo na escola. Cansado de sofrer tanto e de ver sua namorada Val afundando-se nas provocações das garotas de sua classe, ele, num ímpeto, entra armado no colégio e sai atirando para todos os lados, em um verdadeiro massacre contra todos que ele e Val achavam que não mereciam viver. 

Desesperada, a garota tenta impedi-lo, dizendo que aquilo era somente uma brincadeira; o que não aplacou a fúria de Nick e o fez continuar o massacre – antes de Val se interpor entre ele e uma garota – e depois atirar contra si.

“ Era bom fazer parte de um ‘nós’, com os mesmos pensamentos, os mesmo sentimentos, os mesmos problemas. Mas, agora, a outra metade desse ‘nós’ tinha ido embora e, deitada no meu quarto escuro, percebi que não sabia como me tornar eu mesmo de novo.” Pág: 29

Os piores pesadelos da garota estavam apenas começando. Ela é acusada de ser cúmplice do namorado, vê sua vida desmoronando quando é internada após levar um tiro de Nick, e posteriormente em uma clínica psiquiátrica, com suspeitas de ser uma suicida, e tendo que voltar e tentar fingir que nada daquilo tinha acontecido. Encarar seus colegas, professores, e voltar à escola, apagando da memória o dia fatídico que demarcaria seu destino para sempre.

Val é uma personagem encantadora, e ler a história sob o seu ponto de vista é ainda mais legal, porque somente ela sabia o que era ser considerada estranha, quando o que mais queria era ser mais uma garota normal. Ela conduz o leitor, intercalando passado e presente, e nos mostra o que era namorar Nick, o garoto dos seus sonhos; o que era ser rotulada por apelidos ofensivos por garotas que achavam-se superiores; e principalmente: a falta de confiança de sua família para com ela.

O que mais impressiona é a forma como vemos toda a história. Decerto que o Nick não poderia ter agido pior, mas e se nos colocarmos no lugar dele? Isso nos leva a uma reflexão do quanto o bullying pode ser algo perigoso; O que leva adolescentes a denegrirem a imagem de colegas? E mais, o que leva as vítimas a cometer atos de tamanha atrocidade? O livro traz uma história que está mais próxima de nossa realidade do que imaginamos. A história nos instiga a pesar as duas coisas, porque sempre – ou na maioria das vezes – só vemos o lado ‘psicopata’ do assassino, e não vemos que talvez por trás daquela pessoa, existiu um ser humano que cansou de ser tratado como um ninguém. É, sem dúvidas, um assunto delicado a ser tratado e que a autora sabe tratar muito bem.

A evolução dos personagens é algo realmente emocionante. Jennifer Brown, sabe como poucos, encaixar no contexto, as cenas certas, nos momentos certos. Nada é forçado e, ao contrário do que muitos pensam, o ‘perder’ muitas vezes não ensina as pessoas a amarem. Muito pelo contrário, a autora mostra toda a revolta dos adolescentes... O massacre foi algo que os chocou e os revoltou. Foi algo errado e os jovens não conseguiam compreender o quanto aquilo foi importante, tanto negativa, como positivamente, para suas perspectivas de vida e mundo. 

O modo como Valerie encara tudo é perturbador. Mas é algo tão incrivelmente forte, que emociona o leitor de uma forma única. Vê-la enfrentar seus medos, encarar a escola e todas aquelas pessoas que antes a odiavam, ou que ela achava que odiavam, sabendo que seria difícil, é uma coisa que o leitor acaba trazendo para sua própria vida. Nunca mais encararei certas coisas da mesma forma, depois de A Lista Negra. Ela sabe que a atitude de Nick foi imperdoável, mas ela sabe quem é o ‘verdadeiro’ Nick, o que ela sempre amou e que nunca seria capaz de tomar tais atitudes. Apesar de tudo, sim, eu acho que Nick era um cara legal, e não cabe a mim julgar sua atitude – apesar de saber que foi totalmente errado e injustificável.

E quando você começa a ver que, depois de algum tempo, todos aqueles adolescentes metidos a sabe tudo, começam a refletir sobre suas atitudes? É como eu falei, sempre temos que ver os dois lados da história, e todos e cada um dos personagens, mesmo sabendo que foi inaceitável o que Nick fez, sabem que seria hipocrisia apontar o dedo na cara de Valeria e dizer que ela era a culpada de tudo, quando na verdade cada um deles, de certa forma, contribuíram, direta ou indiretamente, para que aquele massacre acontecesse.

Ainda fico emocionado quando penso em como essa história terminou... é algo tão singelo e bonito. Como diz a leitora Brittany: ‘O final do livro é algo que todo leitor deveria experimentar’.
É isso mesmo. O fim da saga ‘Valerie’ não poderia ser mais emocionante. Saber que aqueles jovens mudaram suas atitudes, aprendendo com suas imperfeições e tentando serem mais humanos, foi o que me refletir sobre minha própria vida... Minhas próprias atitudes. Será que talvez eu não carregue um traço da personalidade de algum deles? Será que você não carrega? 

O livro deveria ser lido por todas as pessoas, mas, principalmente, deveria ser uma leitura obrigatória para todos os jovens. A história traz lições de vida incomensuráveis.

Com certeza, A Lista Negra, tornou-se o melhor livro que li esse ano – até minhas leituras atuais. Acho que é daqueles livros que passam coisas boas para o leitor... Transmite sentimentos e traz todas as imperfeições que nós temos.  É uma leitura indispensável.

Boa Leitura!!!



Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. AMO ''A Lista Negra'' um dos meus preferidos deste ano também!

    Abraços
    http://rabiscosefragmentos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Ronaldo. A capa desse livro me transmitiu uma história tão diferente da real que levei um tempo até descobrir sobre o que ele se tratava. Após procurar mais sobre ele achei que pode ser uma história maravilhosa e sua resenha só contribui para que eu queira muito começar a leitura. Algo chocante mas esclarecedor que pode contribuir muito para vida de todos nós. Falando nisso... esse livro pode nos ajudar para o evento do nosso Clube do livro! Deixarei um suspense no ar. Abraços!

    De Frente com os Livros

    ResponderExcluir
  3. Eu to muito curiosa para ler esse livro, já vi inúmeros blogs falando bem dele. Eu iria comprar na bienal, mas estava caro, mas vou dar uma prioridade a ele.
    Parabéns pela resenha e pelo blog que é lindo...
    Beijos,
    Ana.
    Um livro e nada mais:http://umlivroenadamais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Não tenho palavras tb p/ dizer o quanto amei esse livro. E tenho certeza que qlqr pessoa com o menor grau de criticidade tb compartilha da msm opinião. Fantástico. Eu tb não condeno o Nick, claro que foi msm horrivel o que ele fez, mas nenhum ser humano tem o direito de ser tratado como ele era tratado. Enfim, esse é o livro que mais recomendo a todos lerem de todos que já li esse ano.

    ResponderExcluir